Novidades no caminho


E por que não, não é verdade? Aliás, coisas aparecem e somem o tempo todo. Foi nesse alinhamento que eu tenho vivido as coisas por aqui. O que gerou uma porção de mudanças – e quando não? – e de novas perspectivas. Este post é para dar uma organizada na minha cabeça, ativar o blog – coitado, deixado de lado – e contar umas coisas que venho aprendendo e praticando. Ah! Textão alert!!!

Enfim… O que há de novo na terra Abrantes? 

1. Curar a vida. 

Não exatamente numa pegada de “sarar”, mas de fazer uma curadoria mesmo. Quantas tantas milhões de coisas a gente vai deixando acumular na pia da vida e quando vemos, temos uma zona mal-cheirosa para ajeitar? Pois bem. Ultimamente quero crer que a estada nessa terra de minha Gaia é como uma galeria e vale a pena estar ali o que realmente vale a pena. Assim, menos mimimi e mais visitas e passeios. Conversas que não precisam ficar registradas nos meios digitais, mas sim no coração de quem participou delas. Nessas, teve passeio em Santos, SP, e pés na água do mar. Uma investigação pelo centro de São Paulo e um almocinho caro, porém regado de boas conversas com amigos. Estar com nossos pais e se alimentar da experiência deles. E o resto dos itens abaixo. De fato, colocar na vida o que faz sentido é muito libertador!

2. Yoga e meditação

A impressão que eu tenho é que as coisas boas da vida vem em correntes, afinal de contas, coisa pouca é bobagem 😬. De forma que, preciso contar que a academia que eu estava treinando fechou. Uma pena, na verdade, porque ela era bem adequada pra quem tem hérnia de disco e precisa manter as costas em ordem. Criou-se um fuzuê lá e todo mundo saiu correndo para encontrar uma nova. Deixei quieto e continuei a caminhar e encontrei um canal maravilhoso no YouTube para praticar yoga. Honestamente, achei alguns estúdios aqui no bairro, mas achei os preços proibitivos. Com Yoga with Adrienne consigo praticar todos os dias, a moça é um amor e ainda tem o plus adicional a mais de ser inglês – junta a fome com a vontade de comer. Além disso, me sinto mais forte, fisicamente, e percebo que yoga é mindfulness do corpo. Ou seja, treino para o corpo saber o que está fazendo e não simplesmente exercitar-se sem pensar. 

A meditação continua bem e me ajudando a não agir diretamente sobre pensamentos e sentimentos. Eles vão e vem. Se vc os percebe, consegue notar que são impessoais. Quem se identifica com eles e sofre somos nós. Então, vale a pena dar aquela ponderada. Raiva, frustração continuam aí, fazendo oq elas têm de fazer. Fica a nosso cargo identificar-se e reagir ou deixar passar. Confesso que tem horas que é bem difícil. Mas…

3. Exercícios, alimentação e 13kgs a menos. 

Desde janeiro até agora, mandei 13kg pra lata do lixo. Estou sim mais leve e mais fluida. Mas também perdi roupas pra caramba. No entanto, estar ativa pede mais atividade e o corpo não estagna. Claro que de vez em quando bate aquele pavor de engordar tudo de novo. Aí, a gente volta pra mindfulness e pra impermanência: tudo que tem potencial para surgir, têm pra ir embora. Calma e viver o momento com a graça e leveza que o corpo tem e que merece ser celebrado. 

Quanto à alimentação, eu já acreditava em comida limpa. Ou seja, menos processados e coisas afins. Com uns ajustes simples, estou buscando a comida como combustível e não entretenimento. Em linhas gerais, evito farinha branca, açúcar e cereais refinados. Dou preferência à integrais, naturais, crus e orgânicos. É uma questão de prestar atenção. Sem loucuras dietéticas. 

E não larguei o café. Aliás, mt bom tomar um café sem açúcar e saber oq vc está, de fato, tomando. 

4. Respiração profunda pra não ter troços. 

Evidentemente, a vida não é um mar de rosas e, por vezes, aprecem uns trecos para dar aquela testada em nossas intenções. (Insira aqui algo que irrita, chateia ou desafie) brota da eternidade e toca respirar fundo. Na verdade, a impressão que eu tenho é que isso tem a ver com as nossas expectativas sobre seja lá oq for. Então, crie unicórnios e não expectativas. As coisas são como são. Fica a nosso respeito como agir sobre isso. Respirar fundo, aceitar e deixar passar é o melhor a se fazer. Obviamente, existem coisas sobre as quais precisamos agir. O duro é quando vc expõe o que precisa e é tomada por agressiva. Sem problemas. O tempo é soberano. A lei também. 

5. O futuro ainda não chegou… Mas até lá. 

Na mesma pegada de criar unicórnios, não adianta fazer planos mirabolantes pro futuro. Ultimamente quero ser a melhor eu. Pra mim. Pros outros, talvez eu tenha sido impertinente. Desassossego, baby. 

6. Nenhum livro de literatura. Que vergonha!

Estou com uma edição linda de O vermelho e o negro, do Stendall. Foi entregue pela TAG Livros. Está aqui sentadinho na minha sala. Até o fim do livro de mindfulness que estou lendo. 

7. Pokemon Go – porque um pouco de futilidade não faz mal a ninguém. 

Divertido. Por enquanto é isso. Uma análise mais aprofundada, no vídeo do Canal Vudú. 

8. Minimalismo – comece de novo

Falhas graves nesse quesito. Comprei roupas. Comprei mochila. Parte tem a ver com o emagrecimento. Parte tem a ver com sem-vergonhice. Ouvi uma coisa maravilhosa que há de ajudar a começar de novo: seja agradecida por aquilo que vc tem. Agradeça ao que vc tem pelo que fazem por você. Ajuda a esvanecer aquela loucura por mais, mais, mais. 

9. Mindfulness. Um livro imenso tomando a vida

Ainda a 50% do livro, mas aprendendo loucamente. Sobre a beleza do budismo, da meditação e da atenção. Ajuda a distrair menos. A saber quando um sentimento ou pensamento aparece e como lidar com isso. 

“(…) sinta a simplicidade de cada movimento, momento após momento: quando estiver andando, apenas ande. Isso pode ser levado a qualquer atividade. Quando estiver em pé, esteja em pé. Quando estiver vendo algo, somente veja”.

— Joseph Goldstein, Mindfulness: A practical guide to awakening 

10. Uma tentativa sincera de ser Youtuber. Quero dizer, não bem eu. O B. Mas é divertido demais! 

Desde que o B. começou o Canal Vudú, no YouTube, fiz algumas participações especiais. Seguem os links!

Bom… Acho que era isso (tudo) que eu tinha pra contar e/ou refletir. Eu sei que é um post da bla bla bla com pouca informação prática. Mas ficam as notinhas de formação de vida. Que aliás, muda o tempo todo. Impermanência: a gente vê por aqui! 

Pietra

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s