Nossa Era de Ouro é agora

IMG_9499

Feriado é bom porque podemos passar da hora de dormir vendo filmes. Ontem, no Netflix, assisti Midnight in Paris (2011), do genial Woody Allen. Foi sugestão do B. e eu não sabia bem o que esperar. Mas, sabendo ser Woody Allen, fiquei tranquila – pessoalmente, todos os filmes dele que vi, terminei mexida. E “ói nóis aqui traveis”.

Midnight in Paris, além de explorar o cenário maravilhoso da cidade, conta a história de um roteirista bem sucedido que quer aventurar-se na literatura – and don’t we all? – e tem como tema de seu romance, a nostalgia. Claro que a moça com a qual ele vai ser casar acha isso uma bobagem. Claro que a futura sogra é uma pessoa materialista e ligada ao que pode ser comprado em Paris e não tem na sua cidade natal. Claro que o futuro sogro é um republicano pragmático. E ele? Ele é um artista… um sujeito que enxerga em Paris e nos anos 20 uma Época de Ouro. Pois que, uma meia-noite, um velho Pegeout passa com ninguém menos que Scott Fitzgerald dentro – morri!

E em seus passeios e encontros, conhece Picasso, Hemingway, Stein, Man Guy e outras figuras importantes do Modernismo… EU vibrava com isso… como quase um sonho meu na tela, refletido. E compreendi aquela personagem: um lugar de sonho em uma época que seria um sonho… um burburinho… o movimento… o pensamento…

E daí, vem o primeiro tapa do filme. A ideia de que, os anos 20, era a realidade e a contemporaneidade daquelas pessoas… “Aqui é o presente… e o presente é chato”.

Acho que muitas pessoas sentem essas nostalgias e têm esse entendimento de que algum lugar no passado seria um tempo melhor para se viver. E fico imaginando se, daqui algumas gerações, pessoas dirão: que momento excitante a década de 10, do séc. XXI. Por que temos esse entendimento de que as coisas eram melhores, mais simples, melhores de se viver? Quantas coisas aconteciam como agora e que não vemos as dificuldades? Talvez o passado seja um estereótipo de tempo – e como todos os esteriótipos, incompleto. Penso também que saber o que vai acontecer em um determinado momento da História nos dê mais segurança do que o nosso próprio: não sabemos o que vai acontecer amanhã, mês que vem, a seguir.

No entanto, o que nos sobra? Hoje. Agora. E por estar desenrolando a História agora não temos uma visão completa do que é o nosso tempo. Assim, não podemos contemplar com amplitude o que está se dando à nossa volta. Porém, não temos o passado. O futuro ainda não chegou. Sobra agora… fazer do agora o melhor que podemos. E quiçá, um dia, olhar para trás com um naco de saudade… Mas querendo fazer o melhor. Agora.

Pietra

Advertisements

2 thoughts on “Nossa Era de Ouro é agora

  1. Eu vi esse filme! Lembro que na hora que apareceu o Hemingway estávamos a mulher e eu dando gritinhos bem viados na sala.

    Eu entendi a mensagem do filme, creio que a desilusão do presente é ver o que resultou de tantas coisas boas (cinema, música, literatura). É querer viver em uma época em que o cinema era algo novo e épico, a música eletrônica era algo aventureiro, coisa de garagem.
    Os personagens do passado no filme, por sua vez, viam o mundo como era antes do tempo deles e como se transformou.
    Talvez o que nos prenda ao passado é a lenta decadência da civilização humana.

    (Eu sou a nostalgia de James).

    Liked by 1 person

  2. Ainda não vi esse filme, preciso! Acho que a arte romantiza o passado e nos passa essa percepção de que tudo é lindo. E na verdade não é! Mas ficamos suspirando com figurinos, ambientações e até valores. Você falou algo que tem tudo a ver mesmo: amamos um estereótipo!

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s